sexta-feira, 5 de junho de 2009

Ônibus da Morte

por Leonardo André


Outro dia li uma pequena matéria na revista Super Interessante que falava sobre a aplicação da pena capital na China.


Eis que criaram por lá um serviço itinerante para servir a Justiça. Algo parecido com uma ambulância que vai de presídio em presídio, não para prestar socorro, mas para levar o sopro da morte.


Dentro do veículo, um a um, os condenados vão pagando por seus crimes.


É pouco digno de uma espécie que se auto-intitula sapiente cometer atos criminosos. Crime não é uma coisa legal. Crime é uma coisa não legal. É o tipo de atitude que vai contra o tal contrato social. Prejudica a solidariedade orgânica. Por isso é passível de repreensão e punição.


Do alto da minha ingenuidade algo franciscana, no entanto, creio que todo e qualquer crime pode ser evitado, afinal, somos ou não racionais? Nesse sentido, não seria o crime a vitória da ignorância?


Digo isso para deixar claro que desaprovo os atos criminosos.


Por outro lado, sabemos que apesar da sapiência e da racionalidade, existem forças ocultas a guiar os instintos humanos. Sociedade perfeita é uma ilusão e uma ordem moral sempre alimentará sujeitos desviantes.


O Estado, por sua vez, ou é contaminado pela corrupção, como ocorre largamente no Brasil, ou padece do autoritarismo, como ocorre na China.


De qualquer forma, qual Estado na face desse planeta tem crédito suficiente para cobrar com a vida os crimes de seus integrantes desviados?


Nenhuma!


O Estado chinês muito menos...


A pena capital, tanto quanto os crimes que por ela são punidos, causam-me indignação. Mas, se for verdade o que a matéria de Super Interessante diz, está mais que provado que a consciência humana dorme um sono profundo.


Diz a matéria que os corpos que deixam a van mortal são cremados em seguida. Por isso desconfia-se que agentes do digníssimo governo chinês levem algum dinheirinho por fora abastecendo o mercado negro de órgãos humanos.


Pena de morte!


Tráfico internacional de órgãos!


Ah, esses humanos...


***

3 comentários:

PuLa O mUrO disse...

Pois é... os nazistas tinham um onibus igualzinho, em que assassinavam os judeus. Tecnologia a serviço do genocídio. "O progresso inevitável é o regresso inevitável"

Júlio Canuto.

Clau disse...

A racionalidade que deveria nos conduzir à luz, nos leva à escuridão.

Vivi disse...

A gente perde um pouquinho a fé na humanidade lendo isso mesmo. As vezes o ser humano é tão hipócrita, né? Joga a sujeira pra baixo do tapete e finge que tá tudo bem... bah!