quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Classe Média

por Júlio Canuto

Abaixo deixo um clipe da música Classe Média, de Max Gonzaga. Se não me engano, essa música foi lançada em 2005, no Festival de Música da TV Cultura e não ganhou, apesar dos protestos da platéia que, incomformada com o resultado, entoou uma vaia para o resultado final, que impediu até o pronunciamento de Gilberto Gil, à época Ministro da Cultura.

É bem propícia para o momento que estamos vivendo. Na próxima semana serei mais específico sobre isso. Por enquanto deixo apenas o vídeo e a letra abaixo.

Classe média - Max Gonzaga.


Sou classe média
Papagaio de todo telejornal
Eu acredito
Na imparcialidade da revista semanal
Sou classe média
Compro roupa e gasolina no cartão
Odeio “coletivos”
E vou de carro que comprei a prestação
Só pago impostos
Estou sempre no limite do meu cheque especial
Eu viajo pouco, no máximo um pacote cvc tri-anual
.
Mais eu “to nem ai”
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não “to nem aqui”
Se morre gente ou tem enchente em Itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda
.
Mas fico indignado com o Estado quando sou incomodado
Pelo pedinte esfomeado que me estende a mão
O pára-brisa ensaboado
É camelo, biju com bala
E as peripécias do artista malabarista do farol
.
Mas se o assalto é em moema
O assassinato é no “jardins”
A filha do executivo é estuprada até o fim
Ai a mídia manifesta a sua opinião regressa
De implantar pena de morte, ou reduzir a idade penal
E eu que sou bem informado concordo e faço passeata
Enquanto aumenta a audiência e a tiragem do jornal
.
Porque eu não “to nem ai”
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não “to nem aqui”
Se morre gente ou tem enchente em Itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda
Toda tragédia só me importa quando bate em minha porta
Porque é mais fácil condenar quem já cumpre pena de vida

Nenhum comentário: