quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Porque não tenho escrito muito ultimamente

Leonardo André


Há certa moderação no balaio de sentimentos antagônicos que conflituam o convívio social, é isso que acho. Na maior parte do tempo as pessoas suportam-se umas às outras. A guerra existe, mas, cara-a-cara com o outro, deparamo-nos com universos próximos e nem por isso compreensíveis para nós e então ponderamos.

Você vê por aí, existem muitos humanos que pá!, acertam balaços na cabeça de seres de sua mesma espécie por qualquer motivo; os atropelam, os estupram, tacam fogo, mutilam. Podemos ser bem violentos, às vezes. Todavia, há o amor também. Alguns perdem a cabeça, mas sabemos que nem tudo é sim ou não; é ou não é; preto ou branco. A incerteza é muito mais a nossa cara.

Eu posso até ter alguma idéia, mas o que vai pela cabeça de outro humano, eu jamais terei qualquer certeza. O que te resta é a fé de que eu seja o que você imagina eu ser. Mas quem garante? Subjetivos demais nós somos, isso eu posso dizer.

E quantos julgamentos fazemos!

Eu não tenho escrito muito ultimamente, porque pra escrever é preciso desenvolver opiniões. Tudo tem que ser comprovado por alguém, por alguma ciência, por algum livro sagrado, por números ou por dados e citações de autores inúmeros. E eu não tenho certeza de nada! Então como é que eu vou escrever, se tudo que eu faço são julgamentos melindrosos?

Palavras é tudo o que temos para entender o mundo ou a vida que corre em nossas veias? É tudo o que temos para nos expressar? Bem, eu acho melhor não confiar, pois as palavras constroem armadilhas. Opinião é uma dessas armadilhas. As palavras dão materialidade às idéias. As palavras são suporte de ideologias. E as ideologias nada mais são que ilusões em estado metafísico e, acredite, essas são outras temíveis armadilhas construídas com palavras.

As ilusões são pacotes de verdades comprovadas, fechadas em si mesmas, que adquirimos no mercado das idéias. Pacotes, cujos conteúdos são constituídos por palavras. Pacotes nem sempre compatíveis – na maoria das vezes contraditórios. E as contradições podem ser violentas. E contradição parece ser mesmo uma condição humana, assim como a incerteza. E eu acho que a gente perde muito tempo com as contradições, tentando contradize-las. E eu acho também que é por isso que perdi um pouco a vontade de ter opiniões. Porque, enfim, eu acho que agir é mais sensato do que coagir.

Eu acho.


____________________________


ps.: nunca sei qual o uso correto dos porques e por ques.


***

2 comentários:

Pasqualeide disse...

No caso do título do seu texto, é 'Por que', separado e sem acento!;)

ps - Ótimo texto!

léo disse...

Obrigado Lu!

Tentarei lembrar dessa regra da próxima vez! rs