segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Por que a surpresa?

por Julio Canuto

As eleições a prefeitura de São Paulo, neste ano, foi debatida sob a ótica de que algo novo e até inexplicável teria tomado corações e mentes dos eleitores. O impacto da ascensão de Russomanno nas pesquisas, um candidato com pouco tempo de TV e fora dos dois partidos que eram vistos como os que polarizariam a eleição desde o início (Haddad pelo PT e Serra pelo PSDB) abriu espaço para várias reflexões, na maioria das vezes centrada nos perfis dos candidatos: um possui grande rejeição, outro é desconhecido, outro é novo na disputa, mas conhecido na mídia. Um tem apoio dos evangélicos, outro tem apoio dos católicos, etc. 
Foram várias as análises. Todas válidas. Mas neste texto prefiro pensar sob o ponto de vista do eleitor. Ou melhor, sobre a composição do eleitorado.
As reflexões que exponho a seguir tiveram como ponto central a entrevista de Boris Fausto ao Estadão, em 16 de setembro de 2012. Antes, porém, já organizava estas ideias por conta da releitura de uma análise do cientista político Wanderley Guilherme dos Santos, de alguns anos atrás, bem como de outras matérias e entrevistas publicadas no mesmo jornal.
Com isso procuro trazer novos elementos a análise do processo eleitoral paulistano, ou ao menos aprofundar um dos elementos fundamentais sobre o comportamento desse eleitorado, afirmando que com um olhar mais atento sobre as mudanças recentes de nossa sociedade, não há surpresa na atual situação. Aliás, arrisco dizer que é tendência para as próximas eleições. 

ELEMENTOS JÁ LEVANTADOS
            Em seu espaço na página do Estadão, José Roberto de Toledo trouxe bons argumentos para explicar o tal fenômeno. Em resumo, seriam sete os motivos para a liderança de Russomanno: (1) rejeição a Kassab, que recai sobre Serra; (2) Russomanno como nome já conhecido na política; (3) como um comunicador com longo tempo em programas de televisão; (4) candidato que caiu no gosto de alguns nichos, como os evangélicos; (6) eleitores consumidores, antes de cidadãos, que se identificam com o “defensor dos direitos do consumidor”; (7) tentativa de polarização entre Haddad e Serra, sem atenção desses a Russomanno.
            O mesmo analista político, em outro texto, observou que em São Paulo nenhum presidente ou ex-presidente conseguiu eleger um prefeito.
            Com especial atenção ao sexto motivo, quero trazer novas observações.

O HORIZONTE DO DESEJO
Recentemente reli o livro "horizonte do desejo: instabilidade, fracasso coletivo e inércia social", de Wanderley Guilherme dos Santos, onde (como deixa claro o título) ele faz uma reflexão sobre a tão falada apatia política da população brasileira. 
Para análise ele lança mão de dados que evidenciam as grandes mudanças pelas quais o Brasil passou nos últimos 50 anos (anos 1950 até 2000): expansão demográfica no geral; expansão demográfica urbana; observa que passamos de uma situação onde poucos eram cidadãos e tinham seus direitos respeitados, a uma época em que todos são cidadãos perante a constituição, mas a cobertura de direitos é insuficiente; a megaconversão cívica que tornou o direito ao voto realmente universal, com a criação de inúmeras zonas e seções. Mas apesar da visível inclusão, a desigualdade continua. Ou seja, há uma situação em que tudo muda, mas que parece permanecer tudo igual. E assim vivemos durante muitos anos. 
Sua tese é a de que a melhora econômica e o maior acesso de grande parte da população de baixa renda aos bens de consumo não provoca a sensação de ascensão social porque a diferença da condição de vida para as pessoas do topo da renda permanece grande ou aumentava ainda mais (a desigualdade), de modo que a participação não traz a perspectiva de melhora das condições de vida, mas os custos da participação podem ser muito altos.  Romper este limiar, isto é, ter a real percepção de melhora em suas condições de vida é o que faria a população almejar novos patamares, coisa que só acontece com a sensação de queda na desigualdade.
O livro foi publicado em 2006 e, portanto a pesquisa foi realizada nos anos anteriores, antes da tão falada emergência da classe C. Fiquei pensando como isso estaria influenciando o eleitorado hoje. Se essa pesquisa fosse continuada, que resultados trariam?
A recente publicação da PNAD 2011 atesta que, de fato, há um movimento de diminuição da desigualdade social. O Índice de Gini para os rendimentos de trabalho no Brasil recuou de 0,518 para 0,501 no período de 2009 a 2011 (quanto mais próximo de zero, menos concentrada é a distribuição dos rendimentos). Porém, não sabemos a partir de que ponto a diminuição da desigualdade produz uma maior sensibilidade de ascensão. Isto é, as pessoas estão sentido que a desigualdade está diminuindo? Óbvio que o discurso governamental exacerba o alargamento da classe média, mas os dados estão ai, e nos mostram que as famílias brasileiras estão comprando cada vez mais, viajando mais, estudando mais - e também se endividando mais. E neste ponto começo a enxergar uma nova configuração para o comportamento do eleitor paulistano. 
Com o “desenvolvimento” baseado na elevação da renda – que se dá pelo trabalho, pela diminuição do desemprego – e consumo (de geladeiras, carros, etc.), a percepção que aflora é a da melhora material, vivida em sua residência, portanto no mundo privado. Porém, ainda temos sérias deficiências nos serviços públicos.
Creio que as eleições em São Paulo podem evidenciar a sobreposição do eleitor consumidor sobre o eleitor cidadão. Isto é, a sensibilidade do eleitorado ainda não alcançou a percepção de que a melhoria na qualidade de vida do seu vizinho (um bom transporte público para ele, uma boa escola pública para o filho dele, o acesso a saúde para a família dele) é também melhora na sua qualidade de vida. Nesta lógica, além da garantia de poder continuar comprando (que cada um quer assegurar, e é justo), também se abre espaço para a questão da segurança como vigilância policial em todos os espaços, câmeras, muros altos etc. No transporte: mais espaço para andar com o carro novo. Na saúde: se posso pagar pela saúde privada ou se minha empresa me oferece um plano privado, a saúde pública deixa de ser um problema. Se meu filho estuda em uma escola particular, a pública deixa de ser problema (e hoje há muitas escolas particulares até nas periferias, com qualidade de ensino ruim, mas que se passa por boas escolas pelo simples fato de cobrar, de ser particular). Enfim, a preocupação com o funcionamento da cidade é visto sob a ótica das necessidades pessoais, individuais, não coletiva [1]. Importante destacar que estou apenas tentando enxergar o tipo de racionalidade do voto, e não fazer julgamentos de valor. Sinto que, por exemplo, o tema da participação popular não é relevante para as campanhas, embora os candidatos tenham que falar para agradar a certa parcela da população.
Na obra de 2006, W.G. Santos afirmava que
o Brasil encontra-se, muito possivelmente, aquém do limiar de sensibilidade social, e assim tem convivido, pacificamente, com a miséria cotidiana, material e cívica, sem gerar grandes ameaças. Aqui, o horizonte do desejo é puro desejo, sem horizonte.

De acordo com meu raciocínio, já estamos vivendo essa mudança na sensibilidade, mas ainda no espaço privado, da sensação de poder de compra.  Quem me dá esperanças de uma mudança também na sensibilidade social é o filósofo Eduardo Giannetti, que em entrevista ao Estadão em 19 de agosto de 2012, ao tratar do consumismo no Brasil, fez a seguinte observação:
Há um momento de deslumbramento diante dessas novas possibilidades, o que é natural, pois essas pessoas tiveram uma demanda reprimida durante diversas gerações. Por isso elas vão com muita sede ao pote, que lhes foi negado por muito tempo. Mas esse deslumbramento não pode durar para sempre. Em certo momento, a sociedade precisará amadurecer. E as pessoas, principalmente dessa nova classe média, vão precisar pensar no futuro.

CONCLUSÃO
Concluo este ensaio dizendo que talvez não haja surpresas no comportamento do eleitor paulistano. Penso estar equivocada a tese de que nesta cidade temos um eleitorado “conservador”. Já tivemos mudanças bruscas no comando da prefeitura, como na eleição de Luiza Erundina em 1988. O que parece pesar mais na escolha é a aprovação da Prefeitura no momento da eleição, como comenta Toledo (e não só aqui em São Paulo). Penso que por isso Serra tem tanta rejeição nesta eleição. Além de ser uma figura já bastante conhecida, identificada com o PSDB, foi Serra quem levou Kassab a prefeitura e agora está como candidato da situação. Somando a rejeição da administração Kassab com a de Serra, ocorreu essa queda nas intenções de voto que poderia te-lo deixado fora do segundo turno, e contra a qual terá que lutar nestes poucos dias do segundo turno.
Por outro lado, os pontos colocados por Toledo sobre o fenômeno Russomanno são, a meu ver, convincentes. Acrescento a isso a importante, mas torta, mudança socioeconômica que o país vive, temos elementos para enxergar uma nova racionalidade do voto, que se não se confirmou agora, tende  a crescer nas próximas eleições. Por enquanto,  a indecisão transpareceu nas pesquisas eleitorais. Não há surpresa, mas fica o alerta.

NOTA
[1] Para André Singer a mudança aqui tratada refere-se alguns fatores, dentre os quais: perda da hegemonia da esquerda no plano cultural do país, ocasionada pela entrada da ideologia neoliberal; o desejo, pelas classes sociais mais abastadas, da manutenção de uma situação que as beneficia; e também um neoconservadorismo, das camadas que tiveram uma significativa elevação de renda, mas que têm medo da mudança, da ascensão de novas parcelas da população, e se tornam antipáticas a políticas sociais. Ver SINGER. André. Novas expressões do conservadorismo brasileiro. Entrevista a Luis Basilino. Le Monde Diplomatique Brasil. Ano 6, número 63. Outubro de 2012, páginas 20 e 21).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Horizonte do desejo: instabilidade, fracasso coletivo e inércia social. 2 ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2006.

GREENHALGH, Laura. O crivo de quem usa a cidade. Entrevista com Boris Fausto. Site Estadão, 16 de setembro de 2012. Disponível em :

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,o-crivo-de-quem-usa-a-cidade-,931328,0.htm


IBGE. PNAD 2011: crescimento da renda foi maior nas classes de rendimento mais baixas. Comunicação social, 21 de setembro de 2012. Disponível em:

http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=2222&id_pagina=1


SAYURI, Juliana. Nem sei se posso, mas quero. Entrevista com Eduardo Giannetti. Site Estadão, 19 de agosto de 2012. Disponível em:

TOLEDO, José Roberto de. Fenômeno não é acidente. Blog Voz Publica. Site Estadão, 09 de setembro de 2012. Disponível em:  http://blogs.estadao.com.br/vox-publica/2012/09/09/fenomeno-nao-e-acidente/

TOLEDO, José Roberto de. Presidente pé-frio. Blog Voz Publica. Site Estadão, 17 de setembro de 2012. Disponível em:  http://blogs.estadao.com.br/vox-publica/2012/09/17/presidente-pe-frio/
_______________
Este texto também foi publicado, com pequenas alterações, no blog "Yes, nós temos banana" (06/10/2012)

Nenhum comentário: