domingo, 14 de outubro de 2012

Um viagem a cultura popular

por Julio Canuto

Nos últimos dias de setembro estive no Rio de Janeiro, uma viagem de apenas 3 dias. Fui com um grupo de amigos com o objetivo de acompanhar a escolha do samba enredo de 2013 da Mangueira. 

Confesso que é uma emoção única estar na quadra da Mangueira, ouvir todas aquelas pessoas, moradores e visitantes, cantando os enredos clássicos, tendo seu auge com a aparição da bateria por detrás da enorme bandeira que há do teto ao palco. Fiquei até o final, em alta madrugada, com a saída da bateria da quadra ganhando a rua. 

Mesmo com os problemas que ocorreram este ano para a escolha do tema, quando foi questionado o patrocínio do samba (uma longa história que não se refere apenas a Mangueira, mas ao formato do carnaval), a visita vale muito.

Para quem não conhece, deixo um vídeo com o samba enredo de 2011, um dos mais bonitos que já ouvi:  


Um dia antes, na sexta, aproveitei para voltar a Academia Brasileira de Literatura de Cordel - ABLC, que fica em Santa Teresa. Conversei por cerca de uma hora com o poeta Gonçalo Ferreira da Silva, presidente da ABLC, que me contou das viagens que ele fez a África: Cabo Verde, Angola e São Tomé e Príncipe, locais onde conversou com estudantes universitários e outras pessoas, sobre a importância do poeta para a cultura nacional. Me contou também que esteve, ha um ano, na biblioteca do congresso norte americano, a convite da embaixada dos EUA, e conheceu o enorme acervo que eles possuem, inclusive de cordéis. Além de pesquisadores desta arte.

Me encanta também a sabedoria deste homem. Simples, como os verdadeiros sábios. Possui uma extensa produção, que vai dos acontecimentos do cotidiano, passando pela história da Literatura de Cordel, até os versos sobre as várias ciências, que abastecem bibliotecas de muitas escolas pelo país. Pensem na importância do poeta Gonçalo Ferreira da Silva para a cultura nacional.

Trouxe três caixas de folhetos (para recomeçar minha coleção) e alguns livros da ABLC. Estou pensando seriamente em doar a ABLC os folhetos que sobraram da coleção do meu avo (tenho sete em casa, todos das décadas de 1930 e 40). Em 2010, quando levei esses folhetos para mostrar ao Gonçalo, ele gostou muito e chegou a pedir para que eu deixasse em seu acervo. Na época recusei, apesar de na época a ABLC já ter organizado o Centro de Pesquisa e a Cordelteca Umberto Peregrino. Hoje, porém, vejo que a Academia esta se modernizando, com projeto para preservação do acervo (http://ablc.com.br/projeto_catalogacao.html). Na conversa que tive com Gonçalo nesta visita não toquei no assunto, mas vou acompanhando de longe e assim que iniciarem o "projeto para a restauração de publicações em estado de deterioração", terei enorme prazer em doar os folhetos a ABLC.

Enfim, poucos dias, mas muito produtivos. Recomendo a todos a visita a esses locais. 


Nenhum comentário: