domingo, 4 de maio de 2014

Domingo

por Julio Canuto


Chuva. UrbanArts: digital art & design
Hoje o dia tá assim...... desbotado! Todas as cores de ontem se desgastaram. Não dá vontade de comer. Não dá vontade de beber. Não dá vontade de ver ninguém. 
Também não há ninguém em casa.
Não há nem música - só o relógio na cozinha contando os segundos, bem concentrado, com bastante cuidado para não perder a conta: TIC... TAC... TIC... TAC... TIC... TAC.... Segundos que nunca passaram tão devagar. 
O domingo não quer ir embora. Quer aproveitar o final de semana até o último "TAC". Só ele parece ainda animado! Ninguém mais tá afim.
Os moços já guardaram suas motos. As moças já tiraram a maquiagem (ah, esse bairro jovem!) O padre já se retirou. O bar já fechou. Daí o domingo fica assim, com essa cara de "emburrado". E solitário, acaba chateando todos.
Mas todo final de semana é assim: ele vem sempre depois do sábado. Chega de manhã com um sorriso tímido, um sol que não esquenta. Compra o jornal, vê um pouco o futebol de várzea, come um pastel na feira, almoça já bem tarde. Daí é só sofá! E quando parece que vai terminar o dia assim, pelo contrário: é à noite que ele se anima - quando estão todos desanimados.
E insiste em ficar.
Veja só: eu já me despedi dele. Mas ele tá aqui, ainda do meu lado.
Vou tentar um acordo, que é pra ninguém sair chateado: vou sair e dar uma volta com o domingo. Andamos, conversamos. E quando ele já estiver enturmado saio na surdina, deixo ele na esquina.
E quando ele voltar já estou dormindo.
E quando eu acordar, já será segunda...

(texto de maio de 2007, revisão em maio de 2014)

Um comentário:

Anônimo disse...

Domingo é crônico....