domingo, 22 de junho de 2014

Musica tema da Copa: ouça aqui

por Julio Canuto


Ótima música, que diz não só sobre Copa, mas sobre todo o atual contexto político, econômico e social.

Mas espere aí. Se você está procurando aquele barulho de mau gosto interpretado por três bonecos fabricados pela indústria cultural, não é aqui que irá encontrar. Trata-se de outra música, que por acaso me veio à mente em meio a festa, protestos, manifestações, yelow blocs e tudo mais que agitam o mês junino nas terras tupiniquins.

Ah, não devemos nos esquecer que 2014 é também ano de eleições: deputado estadual, deputado federal, governador, senador e presidente. Ufa! E...por acaso (!?)...o ano em que "todos" estão indignados a ponto de xingar a presidenta em plena abertura de Copa do Mundo, apesar de desembolsarem milhares de reais para participarem da festa (mas isso é só detalhe), mostrando toda a educação e elegância do "povo-nobre". 

Tem de tudo: lutas justas, oportunismo, barrigas vazias, barrigas cheias e empanturradas... 

Época de desavenças, que começa quando alguém pensa que ninguém mais tem razão.
Época de descrença, que com a desconfiança e a doença são partes da maldição.
Época de ignorância, que com a sordidez e a ganância são lavas desse vulcão.
Mas ainda bem que aprendi da importância de não dar muita importância e ficar com os meus pés no chão. E por isso essa fumaça a minha janela embaça por fora, por dentro, não.
Aprendi tetra, penta e hexa depressa que a taça do mundo é nossa e que São Paulo é meu sertão.

Ouça a música Aprendiz de feiticeiro, do genial Itamar Assumpção, com a Banda Isca de Polícia.


Aprendiz de feiticeiro
Aprendiz de feiticeiro
Aprendiz de feiticeiro
Aprendiz de feiticeiro
Aprendi quando criança que além de tudo
Balança
Esse nosso mundo cão
Aprendi que quem não dança, já dançou na sua infância
Senão rock foi baião
Aprendi da importância de não dar muita importância
Ficar com os meus pés no chão
Aprendi que viver cansa, mesmo vivendo na França
Mesmo indo de avião
Aprendi que a desavença é por que sempre
Alguém pensa
Que ninguém mais tem razão
Aprendiz de feiticeiro
Aprendiz de feiticeiro
Aprendi que tudo passa, tomando chá ou cachaça
Tomando champanhe ou não
Aprendi que a descrença, a desconfiança e a doença
São partes da maldição
Aprendi que a ignorância, a sordidez e a ganância
São lavas desse vulcão
Aprendi que essa fumaça a minha janela embaça
Por fora, por dentro, não
Aprendi tetra depressa que a taça do mundo é nossa
E que São Paulo é meu sertão
Aprendiz de feiticeiro


Nenhum comentário: